Domine suas finanças - entrevista com Luciana Fiaux

05:00



Já falei sobre organização financeira aqui no blog, mas recentemente encontrei uma visão interessante e diferente sobre esse tema que quero compartilhar com vocês. Comecei a acompanhar o conteúdo da Luciana Fiaux no Instagram e Youtube a convidei para compartilhar aqui a sua visão a respeito desse assunto.


Avesso - Luciana, começa se apresentando pra quem não te conhece e conta pra galera o que te fez criar o Domine suas Finanças.

LuFiaux - hoje eu sou uma personal trainer da vida financeira. Eu costumo dizer que eu, como personal, trago técnicas e estimulo as pessoas a dominarem suas finanças, a conseguirem fazer o dinheiro sobrar para investir e para realizar seus sonhos. Mesmo aquelas pessoas que hoje tem dívidas, mesmo aquelas pessoas que não tem uma renda fixa, que são autônomos, é possível para todo mundo através de exercícios, técnicas e práticas. É dessa forma que eu ajudo as pessoas, mas hoje eu sou uma personal trainer da vida financeira porque eu aprendi a fazer uma mudança na minha própria vida.

Eu já fui muito endividada, muito enrolada, tinha dívida de cheque especial e cartão de crédito, tive uma dívida de um financiamento do carro que eu fiquei sem pagar, mas houve um momento da minha vida em que eu precisei dar um chega para essa situação. Eu passei muito tempo vivendo a filosofia Zeca Pagodinho "deixa a vida me levar". Sempre que aparecia alguma oportunidade de me divertir ou de comprar alguma coisa, mesmo sem planejamento nenhum, sabendo que eu tava super endividada, eu me dizia o famoso "eu mereço" e ia, cada vez mais, entrando numa bola de neve. Por conta de uma dívida muito alta, eu acabei perdendo um dinheiro que eu estava guardando. Eu saí de uma empresa, a empresa estava se mudando para São Paulo, e aí eu precisei buscar um novo emprego. Eu recebi o dinheiro da rescisão trabalhista, mas esse dinheiro não pagava as minhas dívidas, então eu preferi não fazer nada, o que também é uma atitude comum de quem não domina as finanças.

Eu guardei esse dinheiro da rescisão em uma poupança, arrumei um outro emprego e fiquei vivendo endividada, usando aquele dinheiro da rescisão de vez em quando para conseguir equilibrar um pouco as minhas finanças. Eu não consegui regularizar nada, mas achava que estava tudo bem, que eu tinha um dinheiro guardado. E aí, um dia, por conta de todas as dívidas que eu tinha, uma das dívidas foi para uma ação judicial, e essa minha grana que tava guardada numa poupança foi bloqueada. De uma hora para outra, eu, que pensava que tinha dinheiro, passei a não ter dinheiro nenhum. Eu já estava endividada em R$ 60.000,00 e essa dívida era de mais ou menos R$ 30.000,00.

Quando eu tomei esse susto, eu percebi que aquela filosofia Zeca Pagodinho não ia me levar a lugar nenhum e que a minha vida não estava me levando para lugar nenhum, só para o buraco. Então, eu decidi, naquele momento, que eu precisava aprender a lidar com as minhas finanças. Não foi fácil, não foi de uma hora para outra, eu tô contando a história super resumida. Eu comecei a estudar sobre o assunto e eu tive uma oportunidade de trabalhar no mercado financeiro. Eu costumo dizer que foi uma sorte, afinal, sorte é o encontro do preparo com a oportunidade, e eu estava ali me preparando, querendo dominar minhas finanças, e tive essa oportunidade. No mercado financeiro, entendi mais sobre investimentos, sobre dinheiro, o que me ajudou a fazer uma mudança da minha própria vida.

Aos poucos, eu fui percebendo que eu conseguia ajudar outras pessoas também, e criei esse trabalho para mim. Comecei a fazer esse trabalho nas redes sociais e eu ajudo hoje as pessoas a fazerem as mudanças que eu fiz. Já tenho mais de 2.000 alunos nos meus cursos tenho mais de 80 mil seguidores no Instagram e muitas pessoas que já conseguiram dominar suas Finanças também.

Avesso - Falar de dinheiro ainda tem muitos tabus e envolve crenças muito fortes. No seu contato com as pessoas que te seguem e que fazem seus cursos, qual você acredita que é a maior dificuldade das pessoas ao lidar com o dinheiro?

LuFiaux -  primeiro, é achar que não conseguem fazer isso porque não são boas com números, porque não gostam de matemática ou não entendem nada de economia. Isso é uma coisa que as pessoas pensam e acreditam e que, para mim, não são verdade. Porque hoje, depois de passar para as pessoas algumas técnicas e alguns métodos (que não estão relacionados a números, matemática ou economia), muitas pessoas conseguem fazer o dinheiro sobrar, conseguem ter uma vida financeira tranquila, conseguem ter a sua evolução financeira.

Eu percebo que depende muito mais de como a gente define as nossas metas, os nossos comportamentos, as nossas motivações e a estratégia que a gente usa para se organizar, do que efetivamente entender de matemática ou lidar bem com números. Você não precisa ser bom em matemática ou com números pra dominar as finanças.

Uma outra crença muito forte, um outro tabu, eu acho que é a questão das pessoas acharem que não podem querer ter dinheiro. Que querer ter dinheiro é feio, que querer ter dinheiro é coisa de gente gananciosa. De uma certa maneira as pessoas até se divertem em dizer que estão "duras" e sentam na mesa do bar e comentam como está ruim para todo mundo. As pessoas têm esse tabu. As pessoas que têm uma vida financeira tranquila não gostam de dizer que têm dinheiro e que estão bem, e as pessoas que não estão bem não gostam de dizer que querem ter dinheiro porque parece que elas vão ser mal vistas dessa forma. Mas, na verdade, dinheiro é só uma pecinha do nosso quebra-cabeça da vida.

Ninguém diz que quer ter pouca saúde, ninguém diz que quer ter pouco amor, então porque que a gente canta a música do Tim Maia dizendo "não quero dinheiro, quero amor sincero"? A gente pode ter as duas coisas, pode ter amor, pode ter saúde, pode ter dinheiro, pode ter tudo que a gente quiser ter. Não é feio querer ter dinheiro e eu acho que quando a gente diz que não quer ter, consciente ou inconscientemente, a gente acaba agindo para não ir atrás do dinheiro, e isso faz com que a gente continue na situação em que a gente está. Acho que essas são as duas maiores crenças que envolvem a vida financeira das pessoas.


Avesso - Um dos seus conselhos que considero mais criativo e até polêmico é o de parar de anotar os gastos. Conta um pouquinho porque você acha que esse não é o melhor caminho para a organização financeira.

Eu não acho que anotar gastos é a melhor forma da gente se organizar porque eu vejo que as pessoas que adotam esse método passam a dirigir a vida financeira delas olhando pelo retrovisor. Elas vivem um dia, e aí gastam o dinheiro, o dinheiro vai embora, e no final do dia elas sentam na frente de uma planilha ou de um caderno e anotam para onde o dinheiro foi. Eu costumo dizer que isso é mais ou menos parecido com você ir ao mercado sem uma lista de compras na mão, sair comprando qualquer coisa aleatória, decidir na hora e agir por impulso. E aí, quando chegar em casa, na hora de guardar as compras, você resolve anotar o que você comprou em um caderninho. Não faz o menor sentido, então, também não faz o menor sentido na nossa vida financeira.

O ideal, para a gente dominar as nossas finanças e ter controle sobre a nossa vida financeira, é a gente definir antes de gastar quanto que a gente quer gastar com cada uma das coisas, como se estivesse fazendo uma lista de compras. Mas não é só para o mercado, é uma lista de compras para vida. É uma lista de como a gente vai usar o nosso o dinheiro naquele mês, com o que e quando a gente vai gastar. E aí, depois, a medida que a gente vai vivendo a vida com aquela meta e com aquele foco, se a gente quiser anotar para analisar se a gente está cumprindo as nossas metas, tudo bem. Aí não é só anotar, você vai estar monitorando uma meta definida. E você nem precisa anotar se você não quiser. Se você, por exemplo, determina que vai gastar R$ 500,00 nesse mês com lazer, você pode sacar R$ 500,00 da sua conta, colocar esse dinheiro em um envelope e ir tirando dali, a hora que acabar acabou.

Você não precisa ficar anotando toda vez que você for para um barzinho ou sair com os amigos. Você pode fazer o mesmo com os R$ 300,00 da gasolina, por exemplo. Então, anotar gastos não é uma técnica que por si só vai te ajudar a dominar sua vida financeira. O ideal é que você defina metas, cumpra essas metas e crie controles para você ficar dentro das metas.


Avesso - Qual seria então a melhor alternativa para uma vida financeira organizada?

LuFiaux - A melhor alternativa para uma vida financeira organizada é, primeiro, não usar métodos que não te ajudam, (como por exemplo ficar anotando gastos) e, segundo, é você transformar os seus desejos em objetivos, para que esses desejos estejam mais concretos para você e te ajudem e motivem a ter uma vida financeira organizada. Não vai adiantar você criar qualquer método de organização se você não tem um bom motivo para se organizar.

Por exemplo, se eu decido que, a partir de agora, eu vou economizar, que eu vou ter minhas metas de gastos e eu vou controlar tudo, isso vai ser chato e eu não vou conseguir manter isso por muito tempo, porque não parece fazer muito sentido, eu não tenho motivo para isso. Mas, se eu pegar um desejo meu, por exemplo, fazer uma viagem, comprar uma casa, comprar um carro, ou programar minha aposentadoria, se eu pegar todos esses desejos e transformar em um objetivo aí sim você tem motivação.

E como é que você pode transformar desejos em objetivos? Você tem que dar número para ele, você tem que dar tempo para ele. Uma casa, por exemplo, é só um desejo. Mas uma casa de R$200.000,00 no bairro tal para ser comprada em janeiro de 2021 é um objetivo. Tem prazo, tem número, você consegue quantificar. E é a partir desse objetivo que você vai definir todas as suas metas, o quanto você vai poupar por mês, o quanto você vai produzir de receita no seu mês, qual é o seu máximo de gastos no mês.

A organização da sua vida financeira nasce de um desejo sendo transformado em objetivo, porque ali é que você vai ter os números para toda sua organização e é ali que você vai ter a motivação para quando tiver um momento desafiador das suas finanças como quitar uma dívida, conversar com gerente, discutir alguma coisa com seu sócio, pedir um aumento para seu chefe. Tudo isso é bem desafiador, então, quando você for enfrentar um desafio como esse, além de você já ter as suas metas, você tem o mais importante que é a sua motivação, seu desejo transformado em objetivo.


Avesso - Sua especialidade é a organização financeira, mas como você vê a importância da organização enquanto ferramenta para todas as áreas da vida?

LuFiaux- A organização é um hábito né?! Então, quando você começa a criar o hábito de se organizar, todas as outras áreas da vida que dependem de organização, (e não são poucas, são muitas né?) acabam fluindo e evoluindo também. Se eu conseguir organizar minha vida financeira, eu posso usar mais ou menos as mesmas técnicas, a minha motivação, e definir minhas prioridades, definir minhas metas. Eu posso usar isso para lidar com meu tempo, eu posso usar isso para lidar com o meu dia a dia profissional, eu posso usar isso até para lidar com um relacionamento (onde eu quero chegar com o relacionamento? Quais são as metas do casal?).

Enfim, para todas as áreas da vida é importante é que você defina suas prioridades suas metas e crie seus hábitos de organização. E, como se organizar é um hábito, na medida em que você vai experimentando isso numa determinada área da vida, você pode ir expandindo para as outras áreas também. Eu e você, na nossa troca de experiências de conteúdo e técnicas, a gente pôde perceber inclusive que o tempo e o dinheiro são recursos que podem ser trabalhados e organizados de maneira muito similares. Ter tempo e ter dinheiro não depende efetivamente do quanto está disponível para você ou do quanto você tem.

Resolver um problema financeiro não depende de ter muito dinheiro e ter uma agenda organizada não depende de ter tempo sobrando. Então, você consegue lidar bem com tempo e dinheiro se você definir prioridades, se definir o que é mais importante para você e se você criar hábitos saudáveis. Não é tendo mais que você vai resolver, as vezes tendo mais dinheiro ou mais tempo a gente até se confunde, se a gente não tiver uma técnica, uma forma de se organizar que seja realmente eficaz.

Tem tanta gente que pega em dinheiro emprestado, que passa a ganhar mais, e nem por isso está com a vida financeira tranquila, pelo contrário, quanto mais tem dinheiro, menos domina a vida financeira. Eu acredito que esses dois recursos tempo e dinheiro não dependem do quanto você tem e sim da forma como você lida com eles.


Oba! Lu, obrigada pela sua participação e dicas preciosas ajudando a galera daqui a revirar o caos financeiro do avesso. Muito sucesso com o seu trabalho!

É isso minha gente! A organização é uma ferramenta maravilhosa para todas as áreas da sua vida, inclusive a financeira. Eu espero que vocês tenham gostado da participação da Luciana Fiaux aqui no blog. Acompanhem o trabalho dela e vejam como ela aplica na prática esses conceitos e ferramentas. Eu super recomendo e tenho certeza que vai te ajudar. Ela tem cursos online com conteúdo super completo, fica de olho para entrar nas próximas turmas. Ela me passou também o link de um livro de presente para quem quiser ter animo pra dominar as finanças.

Gostou? Compartilha com os amigos para ajudar eles também e deixa seu comentário aqui embaixo.

You Might Also Like

2 comentários